Governo do Estado financiará o primeiro laboratório de maconha do País pela USP

Governo do Estado financiará o primeiro laboratório de maconha do País pela USP

O campus da USP em Ribeirão Preto inaugura ainda este ano o Centro de Pesquisas em Canabinoides,da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). O local será para pesquisa e desenvolvimento de

Leia tudo

O professor Antonio Waldo Zuardi, do Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da FMRP e coordenador do novo centro, diz que o espaço reunirá os trabalhos do grupo de pesquisa de Ribeirão Preto com alas destinadas ao estudo básico de laboratórios e à pesquisa clínica com pacientes e voluntários saudáveis.Atualmente, a comunidade científica vem creditando ao CBD grandes possibilidades terapêuticas, com muitas pesquisas em fases pré-clínicas (testes em laboratórios).

As pesquisas com o canabidiol começaram com um “experimento gastronômico”, no início dos anos 1960, quando o bioquímico israelense Raphael Mechoulam resolveu testar seus achados. Mechoulam, que havia elucidado estruturas químicas de vários compostos da maconha, testou em seus amigos os efeitos de cada substância misturada à massa de bolos preparados por sua esposa.Foi então que Mechoulam observou que apenas os convidados que ingeriram bolo com a substância THC (tetrahidrocanabinol) apresentaram os efeitos típicos da droga. “Ficaram chapados”, na linguagem popular.

No entanto, a ação farmacológica antiepilética do canabidiol seria descoberta pelo cientista brasileiro Elisaldo Carlini, na década de 1970, e confirmada em humanos, em 1980.Essas descobertas “ficaram adormecidas por muitos anos” até que foi resgatada, principalmente pelos esforços do professor Zuardi e sua equipe da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto que há quase 40 anos pesquisa o CBD e é o grupo brasileiro com maior número de publicações sobre a droga