Magno Malta recusa convite e Janaína Paschoal será vice de Bolsonaro, deputado ainda não oficializou decisão

Magno Malta recusa convite e Janaína Paschoal será vice de Bolsonaro, deputado ainda não oficializou decisão

BRASÍLIA - A aliança entre Jair Bolsonaro (PSL) e o PR, alardeada por ambas as partes como fato praticamente consumado, deu nesta quarta-feira sinais de que pode não se confirmar. Em entrevista

Leia tudo

BRASÍLIA - A aliança entre Jair Bolsonaro (PSL) e o PR, alardeada por ambas as partes como fato praticamente consumado, deu nesta quarta-feira sinais de que pode não se confirmar. Em entrevista ao Diário do Nordeste, durante evento na Assembleia Legislativa do Ceará, na terça-feira, o senador Magno Malta (PR), nome preferido pelo deputado federal para assumir a vice, afirmou que é “importante no Senado” e que Bolsonaro será presidente “com outra vice”.

Por que o vice de Bolsonaro é essa insistência que a imprensa nacional quer? Tem alguma coisa por trás disso.

É o cara botar o pescoço de fora e começar a ser escrachado antes da hora? O que tenho perguntado é o seguinte: será que para a sociedade, para as famílias, a minha luta em defesa das crianças, será que vale a pena eu ficar calado? Digo para ele (Bolsonaro): você é presidente sem mim, com qualquer outro vice. Tenho que avaliar é a minha importância, e, na minha cabeça, sou importante é no Senado — disse Malta ao Diário do Nordeste.

O PR tem uma bancada de 40 deputados, integra a base de governo do presidente Michel Temer e conta com cobiçados 45 segundos de tempo de TV no horário eleitoral.

Hoje ela manhã, a assessoria do senador confirmou que o parlamentar havia desistido de ser vice na chapa do ex-capitão do Exército. Depois de ser pressionado pelo pré-candidato, que o procurou pessoalmente para cobrar uma posição sobre o que a sua assessoria havia dito, o senador capixaba mudou o tom, desautorizou seus assessores, e retomou o discurso de que ainda não havia decidido sobre ser vice.

À tarde, quando a notícia apontando que Magno Malta desistira da vaga de vice de Bolsonaro já repercutia no Congresso, o ex-capitão do Exército dirigiu-se ao gabinete do senador para tirar pessoalmente suas conclusões.

O pré-candidato não escondeu a insatisfação e chegou a dizer que o senador havia prometido lhe dar a palavra final no dia 15 de julho. Visivelmente descontente, ele tratou de diminuir a decisão de Malta dizendo que não tinha “problema nenhum” na desistência.— Ele não tinha nenhum compromisso de ser. A bola estava com ele. Pode ser que não venha. Não tem problema nenhum —disse Bolsonaro  às 14h40, antes de sair mais uma vez pelos corredores do Senado atrás de Magno Malta.Depois de conversar com Malta, Bolsonaro afirmou que “a bola” estava com o senador e que nada havia sido decidido.

O Magno Malta, por enquanto, ainda não bateu o martelo. Quando bater o martelo, será um “sim” ou “não”. Aí nós temos algumas opções pela frente. A Janaína Paschoal parece que está demonstrando interesse é a melhor opção de todas.

É uma possibilidade ele (Mago Malta) ir para o Senado. Mas ainda não bateu o martelo não — disse Bolsonaro.Três horas após o pré-candidato do PSL bater na porta do gabinete do senador para cobrar explicações, o senador capixaba adotou novo tom, mais cauteloso, sobre a possibilidade de não aceitar a oferta do ex-capitão do Exército.

Bolsonaro formalizará convite a Janaína nos próximos dias, estão todos na expectativa para que ela aceite.

Se minha assessoria falou isso, eu desminto. O Bolsonaro é o líder nas pesquisas, ele tem até a última gota do rio para decidir que vice ele quer — afirmou Magno Malta.Ainda na manhã de ontem, enquanto os auxiliares de Magno Malta confirmavam a negativa do senador a Bolsonaro, o chefe do PR, Valdemar Costa Neto, encontrou-se sigilosamente com dois dos principais integrantes da cúpula do PT, o ex-ministro Jaques Wagner e o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), para discutir a possibilidade de uma composição nas eleições de outubro.As negociações do PR com o PT envolveriam a formação de uma chapa com o presidente da Coteminas, Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente José Alencar, levado ao PR pelo ex-presidente Lula.

Segundo Valdemar revelou ontem a caciques de partidos do centrão, o próprio Josué teve um encontro com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, para discutir uma composição com os petistas.

DEPUTADOS DO PR PREFEREM BOLSONARO

Josué, segundo Valdemar, teria dito a Gleisi que não aceitaria ser vice “de alguém que não vai ser candidato”, em uma referência ao fato de o PT insistir em registrar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo ele sendo considerado inelegível pela Lei da Ficha Limpa e ter sido proibido ontem, pela juíza Carolina Moura Lebbos, titular da 12ª Vara Federal de Execuções Penais (VEP) de Curitiba, de realizar atos de campanha na carceragem da Polícia Federal.

Apesar da indecisão de Magno Malta e do flerte de Costa Neto com o PT, a maioria dos integrantes da bancada do PR na Câmara ainda diz preferir uma aliança com Bolsonaro a outro partido tradicional. Nos últimos dias, o próprio Valdemar afirmou a aliados que 30 dos 41 deputados preferiam uma aliança com com o ex-capitão do Exército.

Ontem, contudo, o chefe do PR levou uma mensagem diferente à reunião do “centrão”. Ele esteve na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), onde afirmou aos líderes de DEM, PP, PRB, PHS, PSC e Solidariedade que não havia nada fechado com Bolsonaro.

E aproveitou para fazer um aceno aos aliados.— O Valdemar disse que, na semana passada, o apoio ao Bolsonaro estava decidido. Mas que agora não está mais assim. E que tem até gente querendo Ciro Gomes — disse um dos presentes.A preferência pelo pedetista na bancada, entretanto, é pequena. Segundo o líder do PR na Casa, José Rocha, só cinco dos 41 deputados apoiariam Ciro.