Mais soldados da Força Nacional chegam em Boa Vista para controlar entrada de refugiados da Venezuela

Mais soldados da Força Nacional chegam em Boa Vista para controlar entrada de refugiados da Venezuela

Força Nacional de Segurança começou a atuar em Pacaraima, na fronteira entre Brasil e Venezuela, nesta segunda-feira (19). Os Os agentes da Força Nacional chegaram ao município na última quarta-

Leia tudo

Força
Nacional de Segurança começou a atuar em Pacaraima, na fronteira entre Brasil e
Venezuela, nesta segunda-feira (19).

Os Os agentes da Força Nacional
chegaram ao município na última quarta-feira (14), dois dias depois do
presidente Michel Temer anunciar em Boa Vista uma série de medidas vão
reforçar, principalmente, a faixa de fronteira entre os dois países.

 

Pela manhã, agentes da Força Nacional e da Polícia
Federal montaram uma fiscalização na BR-174, que liga o Brasil à Venezuela.


Eles pararam e revistaram veículos que passavam pela rodovia. Até então, esse
tipo de abordagem não era comum.

 

De acordo com o Ministério da Justiça, a atuação da
tropa será sempre em auxílio à PF tanto na cidade de Pacaraima quanto na faixa
de fronteira, que é o principal foco do reforço.

 



Os agentes da Força Nacional chegaram ao município na
última quarta-feira (14), dois dias depois do presidente Michel Temer anunciar
em Boa Vista uma série de medidas para lidar com o intenso fluxo migratório
venezuelano.


 

Juliano
Torquato (PRB), prefeito de Pacaraima, diz que atuação da Força Nacional é bem
vinda no município que é diretamente impactado pelo fluxo de imigrantes.

 



Torquato acredita que o reforço irá coibir a violência e
os índices crescentes de criminalidade no município, que já decretou estado de
calamidade pública.

 



“O fluxo diário é recorrente de 500 ou 600 pessoas ali
na fronteira e o nosso efetivo da PM fica em torno de 40 homens […] queremos
que dê uma acalmada na cidade, porque o nosso problema é com a insegurança”.

 


A atuação da Força Nacional na
fronteira faz parte de uma força-tarefa que prevê também o efetivo dobrado de
militares do Exército na fronteira. Atualmente, segundo o comandante do
Exército em Roraima, general Gustavo Dutra, há 120 homens em Pacaraima no
pelotão especial.

 

Outras ações de segurança e
ajuda humanitária estão previstas para iniciar na semana que vem, segundo
Dutra.

O trabalho depende de uma reunião entre o Exército e os ministérios da
Justiça e Saúde, prevista para ocorrer nesta quinta (22), em Pacaraima.

O venezuelanos que cruzam a
fronteira por Roraima fogem da fome, falta de emprego, hiperinflação e da
instabilidade política no país governado por Nicolás Maduro.

Três dos quatro
abrigos do estado estão lotados, há milhares de venezuelanos em situação de rua
e muitos dividindo casas alugadas. Em dezembro, o estado decretou situação de
emergência.

 

 


 De acordo com dados da
prefeitura de Boa Vista, 40 mil venezuelanos vivem hoje na cidade, o que
representa mais de 10% dos 330 mil habitantes da capital.


 

Em vista a Boa Vista no dia 8
de janeiro, ministro da Defesa Raul Jungmann classificou como preocupante a
situação dos venezuelanos que vivem na praça Simón Bolívar, zona Oeste de Boa
Vista, e disse que a situação "choca muito".

 


 A imigração impacta ainda os
serviços de saúde e educação, que estão sobrecarregados, segundo as autoridades
locais.

 

A situação de
'vulnerabilidade' de Roraima em razão do fluxo migratório foi reconhecida pelo
governo federal por meio de uma medida provisória que prevê ações de
assistência emergenciais para imigrantes venezuelanos no estado.