Maria do Rosário e Jean Wyllys lideram novo projeto contra homofobia e miram "fundamentalistas religiosos"

Maria do Rosário e Jean Wyllys lideram novo projeto contra homofobia e miram "fundamentalistas religiosos"

A deputada federal e ex-ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário (PT-RS), protocolou na noite de ontem (24) o projeto de lei 7582/2014, que visa tornar crime os atos de intolerância contra

Leia tudo

A deputada federal e ex-ministra dos Direitos
Humanos, Maria do Rosário (PT-RS), protocolou na noite de ontem (24) o projeto
de lei 7582/2014, que visa tornar crime os atos de intolerância contra LGBT e
outros grupos vulneráveis.

Momentos depois de apresentar o PL, Rosário
conversou com a reportagem e declarou que pretende buscar a
“unidade” para aprovar a matéria, já possui apoio do parlamentar Jean Wyllys que lidera a luta do Movimento LGBT no país.



Maria do Rosário também comentou que, por conta da ausência
de dispositivos que protejam a população LGBT, existe um aumento cada vez maior
da discriminação e da violência. “Essas pessoas estão desprotegidas diante da
violência por que o Estado não lhes dá segurança e nem igualdade na sua
cidadania.




Então é preciso sim assegurar essa igualdade ao segmento dos
LGBT”, defendeu a parlamentar. A propositora da lei ainda comentou não acreditar
muito no discurso daqueles que buscam fomentar ódio para aumentar o seu
eleitorado.


 “Vejo que o apoio
político baseado no fomento à intolerância pode ser enfrentado com uma postura
de unidade e eu espero encontrar lideranças católicas, evangélicas, de todas as
religiões que sejam favoráveis ao projeto”, comentou Maria do Rosário.



"Acredito que nós precisamos demonstrar para a sociedade que
intolerantes são os setores que se apresentam a partir de uma visão
fundamentalista do mundo e só querem olhar a si próprios. Por isso, trabalhei
no projeto de lei a liberdade de orientação sexual, a liberdade religios
a,, pois os casais homossexuais possuem o direito de casar onde quiserem e isso deve ser respeitado… O
direito de todos devem estar em equilíbrio, então, neste sentido sim, é uma
estratégia. Mas não exclusivamente, porque acredito nisso mesmo, não se trata
apenas de estratégia." - afirma Maria do Rosário.