Palmeiras fecha 2017 com 2º maior superávit de sua história

Palmeiras fecha 2017 com 2º maior superávit de sua história

O Palmeiras não ganhou títulos, nem conseguiu uma grande venda de atleta para o exterior em 2017, mas fez da temporada passada a segunda melhor do ponto de vista financeiro em toda sua história.

Leia tudo

O Palmeiras não ganhou títulos, nem conseguiu uma grande venda de atleta para o exterior em 2017, mas fez da temporada passada a segunda melhor do ponto de vista financeiro em toda sua história. Foram R$ 56,4 milhões de superávit, performance inferior apenas a de 2016, quando o Verdão conquistou o Brasileirão e negociou Gabriel Jesus com o Manchester City.
Os números foram aprovados pelo COF (Conselho de Orientação Fiscal) alviverde em reunião na última terça-feira. O balancete de dezembro apresentou lucro pouco superior a R$ 800 mil, garantindo o 14º mês consecutivo no azul – algo inimaginável nos primeiros anos desta década.

O Palmeiras foi deficitário, por exemplo, nas temporadas de 2014 (R$ -27,6 milhões), 2013 (R$ -22,6 milhões), 2011 (R$ -22,7 milhões), 2010 (R$ -25,5 milhões) e 2009 (R$ -41,2 milhões). A série de prejuízos começou a dar lugar a um clube saudável a partir de 2015, no terceiro ano da gestão de Paulo Nobre (confira todos os resultados da década no fim da matéria).

Já os R$ 56,4 milhões de superávit em 2017 são R$ 33,1 milhões inferiores a 2016. Mas vale ressaltar: a venda de Gabriel Jesus rendeu R$ 46,7 milhões na temporada retrasada, que ainda registrou a entrada de R$ 17 milhões como prêmio pelo título do Campeonato Brasileiro – a bonificação foi paga pela CBF.

Detalhe: Verdão e Crefisa gastaram, juntos, mais de R$ 100 milhões com reforços no último ano. A lista de atletas contratados conta com Borja, Deyverson, Guerra, Luan, Juninho, Fabiano, Guerra, Hyoran, um percentual de Dudu, entre outros. Por outro lado, a maior venda foi a do zagueiro Vitor Hugo, que rendeu aos cofres alviverdes R$ 17 milhões.

Se não bateu 2016 em cifras, o ano passado praticamente sepultou a dívida alviverde com o ex-presidente Paulo Nobre. De acordo com a última atualização, de dezembro, restam apenas R$ 22 milhões de uma pendência que chegou a ultrapassar R$ 200 milhões em 2014. Somente em 2017, o Palmeiras devolveu a Nobre aproximadamente R$ 34 milhões.

DESEMPENHO FINANCEIRO DO VERDÃO NA DÉCADA:
– 2017: R$ 56,4 milhões
– 2016: R$ 89,5 milhões
– 2015: R$ 10,5 milhões
– 2014: R$ -27,6 milhões
– 2013: R$ -22,6 milhões
– 2012: R$ 31,8 milhões
– 2011: R$ -22,7 milhões

O PALMEIRAS MÊS A MÊS EM 2017:
– Janeiro: R$ 463 mil
– Fevereiro: R$ 3,1 milhões
– Março: R$ 10,2 milhões
– Abril: R$ 6,2 milhões
– Maio: R$ 7 milhões
– Junho: R$ 6,1 milhões
– Julho: R$ 2,7 milhões
– Agosto: R$ 11,6 milhões
– Setembro: R$ 2,3 milhões
– Outubro: R$ 897 mil
– Novembro: R$ 5,1 milhões
– Dezembro: R$ 807 mil
TOTAL: R$ 56,4 milhões
 - Fonte: Blog do Jorge Nicola