Procuradoria Geral da República apura acusação de suposta ex-namorada de Eduardo Bolsonaro

Procuradoria Geral da República apura acusação de suposta ex-namorada de Eduardo Bolsonaro

No último ano, a polícia chegou a divulgar um laudo psicológico que revelava que Patrícia é “mitomaníaca”, isto é, possui transtorno de personalidade que faz com que minta de forma compulsiva.

Leia tudo

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, investiga um dos
filhos do deputado Jair Bolsonaro por ameaça de morte.


O também deputado
Eduardo Bolsonaro foi denunciado por uma integrante da Juventude do PSC,
partido dos dois congressistas, à Delegacia da Mulher de Brasília.

Ela entregou aos policiais civis
cópias de mensagens de texto trocadas por meio de um aplicativo, em que o
parlamentar afirma que vai acabar com a vida dela e lhe dirige palavras como
“otária”, “abusada”, “vagabunda” e “p...”. Procurada, a assessoria do deputado
disse que ele não se manifestaria porque ainda não foi notificado.



Deputado federal garante que são falsos os prints de um
“bate-boca” entre ele e o suposto ex-affair

 

O deputado federal por São
Paulo Eduardo Bolsonaro (PSC) comentou na madrugada desta o suposto bate-boca
que teria sido protagonizado entre ele e a jornalista Patrícia Lelis.


Segundo o parlamentar, o
print de um desabafo publicado nas redes sociais e que repercutiu bastante
entre internautas é falso, assim como o boato de um relacionamento que ele
teria mantido com a jovem. “Nunca namorei, saí, beijei ou segurei na mão dessa
pessoa. Por favor, alguém realmente acreditou nesse print montado?”, escreveu o
parlamentar.



“Essa menina devia ser
interditada, já tem uma falsa acusação de estupro e agora é ela quem está sendo
investigada”, disse em referência à acusação de estupro contra o também
deputado Marco Feliciano (PSC) de autoria da jornalista.

 Os falsos prints envolvendo o
deputado federal Eduardo Bolsonaro e a jornalista Patrícia Lelis repercutiram
entre internautas depois do suposto desabafo do parlamentar via redes sociais.



Na cópia que repercutiu na
web, ele acusa, sem citar nomes, uma ex-namorada de ser feminista por
frequentar uma boate LGBT acompanhada de um médico cubano.

Mesmo sem ser citada,
Patrícia retrucou os argumentos utilizados pelo filho de Bolsonaro, indicando
que teria vivido um relacionamento abusivo com o deputado por mais de três
anos.

Deputado Federal Eduardo Bolsonaro  Foto  Ronaldo SilvaFutura Press

O print dava conta que, apesar do fim do relacionamento, Eduardo
continuaria a procurá-la.

Além de dizer que manteve um
relacionamento abusivo com o deputado Eduardo Bolsonaro, Patrícia Lelis teria
dito, em outras ocasiões, conforme o próprio parlamentar, que ela havia ficado
grávida dele e depois abortado a criança.



A jornalista já responde por
uma denúncia caluniosa e extorsão em relação ao caso envolvendo o deputado
Marco Feliciano. No último ano, a polícia chegou a divulgar um laudo
psicológico que revelava que Patrícia é “mitomaníaca”
, isto é, possui
transtorno de personalidade que faz com que minta de forma compulsiva.