Roger Machado maximiza tempo no Palmeiras

Roger Machado maximiza tempo no Palmeiras

Enquanto Dudu recebia os cuidados do massagista do Palmeiras no vestiário do estádio, antes do jogo de domingo contra o Botafogo, Roger Machado, com uma prancheta em mãos, chamou Willian para

Leia tudo

Enquanto Dudu recebia os cuidados do massagista do Palmeiras no vestiário do estádio, antes do jogo de domingo contra o Botafogo, Roger Machado, com uma prancheta em mãos, chamou Willian para repassar aos dois pontas algumas orientações de posicionamento. Não existe tempo inútil para o treinador do Verdão. Tento aproveitar meu tempo ao máximo – diz Roger.

O momento no vestiário em Ribeirão Preto, registrado pelo fotógrafo do clube, não é o único que confirma isso. No dia a dia, assim que apita pela última vez para encerrar seus trabalhos em campo, Roger Machado segue para sua sala na Academia de Futebol. Lá, ele assiste às imagens da atividade que acabou de orientar e que foi filmada com um drone.

De outro ângulo, com essas imagens gravadas de cima, é possível observar melhor o posicionamento e as ações dos atletas. Assim, antes da sessão seguinte de treino, a comissão técnica já tem em mente o que funcionou ou se algo precisa ser aperfeiçoado.

Vídeos também são utilizados com agilidade nos intervalos das partidas. Roger dispara seu cronômetro assim que o árbitro dá o apito inicial e, quando nota algo que precisa ser comentado com o time ao final da primeira etapa, olha para o relógio e pede ao auxiliar Roberto Ribas para anotar o tempo.

– Se eu vejo alguma coisa, já falo "Roberto, 18:30, guarda aí." O relógio está sincronizado com o pessoal lá em cima (os analistas de desempenho, que estão filmando o jogo das tribunas). Daí vamos lá na linha do tempo no intervalo e selecionamos o lance. Geralmente, dá pra passar três imagens, duas ofensivas e uma ofensiva. Ou o contrário, dependendo do que aconteceu – conta.Foi desse jeito que Roger corrigiu os problemas do primeiro tempo ruim do Palmeiras contra o Botafogo. Como os passes verticais que buscavam Borja muito bem marcado.

– "Ó, rapaziada, esse passe não entra aqui. Olha só por que não entra, olha como está fechado". Expliquei que se a gente conseguisse mexer o adversário de um lado pro outro, e esse passe lateral entrasse, aí ele conseguiria segurar. Agora, frontal assim é difícil. Ele vai ter que dominar perfeitamente a bola. O passe vai ter que ser bom, o domínio vai ter que ser grudado no pé, porque se ele dominar 10 centímetros pra frente, vem o biquinho da chuteira e desarma ele – destacou Roger.

– Os jogadores também não conseguem enxergar na linha do horizonte. Eles estão dando passe lá e pensando: "Por que o Borja não conseguiu dominar, cara?". Daí tu olha de cima, do ângulo aberto, e os caras dizem: "Bah! Não entra mesmo, tens razão". Daí eu mostro o outro passe, quando ele bate do lado. "É mesmo, ele conseguiu dominar". A imagem é mais um elemento pra me ajudar, é didático.

Na tarde desta quarta-feira, véspera do duelo com o RB Brasil, o tempo de Roger e sua comissão será usado para ver jogos do adversário e treinar pela última vez. A atividade será na própria arena, palco da partida, sem a presença da imprensa. Privacidade é essencial nesse tipo de trabalho.
- Fonte: Globo Esporte